Notícias

Série Grandes Diretores: Antunes Filho

Publicado em: 14.06.2021

Antunes Filho. Foto: Acervo

Nesta segunda-feira, 14, a MT Escola de Teatro inicia uma série em que homenageia 10 grandes diretores de teatro, começando por Antunes Filho, considerado pela crítica especializada um dos principais nomes do teatro brasileiro.

Ele nasceu em São Paulo, em 12 de dezembro de 1929, no tradicional bairro do Bixiga.

1º Prêmio MT Artes reúne setor cultural mato-grossense em noite histórica no Cine Teatro Cuiabá

Sua estreia no teatro foi em 1953 com a peça “Week-end”, de Noel Coward. Em 1958, fundou a companhia Pequeno Teatro de Comédia e dirigiu o espetáculo “O Diário de Anne Frank”, ganhando diversos prêmios.

Em meados dos anos 1960, Antunes Filho encenou sua primeira peça de Nelson Rodrigues, “A Falecida”. Anos depois, montou “Bonitinha, mas Ordinária”, e adaptou “Vestido de Noiva” para uma série de teleteatro na TV.

Durante a ditadura militar dirigiu a peça “Vereda da Salvação” (1964), de Jorge Andrade, que foi remontada na década de 1990.

Ganhou destaque e prestígio como diretor teatral ao montar “Macunaíma”, baseado na obra de Mário de Andrade, em 1978.

Nos anos 1990, criou o Centro de Pesquisa Teatral (CPT), escola de formação e grupo teatral por onde passaram importantes nomes do teatro nacional.

Com o CPT, montou as peças “A Hora e a Vez de Augusto Matraga” (1986), “Paraíso Zona Norte” (1990), “Macbeth – O Trono de Sangue” (1992), “Gilgamesh” (1995) e “Drácula e outros Vampiros” (1996).

Em 1998, apresentou a evolução na pesquisa do ator com “Prêt-à-Porter”, uma série de espetáculos formados por peças curtas, escritas e dirigidas pelos próprios atores.

No ano seguinte, montou com o grupo Macunaíma a tragédia grega “Fragmentos Troianos”, adaptação de “As Troianas”, de Eurípedes.

Em 2006, recebeu o Prêmio Bravo! de Melhor Espetáculo Teatral do Ano pela peça “A Pedra do Reino” (2006).

A última montagem de Filho no teatro foi a peça “Eu Estava em Minha Casa e Esperava que a Chuva Chegasse”, texto do francês Jean-Luc Lagarce que estreou em setembro de 2018.

Em maio de 2019, o teatro brasileiro perde um de seus principais nomes com o falecimento do diretor em decorrência de um câncer.

#teatro #historiadoteatro

Todos os direitos reservados - 2018